Mito ou Verdade | Caipirinha Prendada

Mito ou Verdade

 

Desvende os mistérios sobre a cachaça, bebida originalmente brasileira.

1. Cachaça, pinga e aguardente são a mesma coisa?***

Mito. A cachaça é um produto tipicamente brasileiro, destilado do mosto fermentado da cana de açúcar, com graduação alcoólica de 38% a 48%. Já aguardente é o nome dado para qualquer bebida feita a partir da fermentação de vegetais doces ou frutas com graduação alcoólica entre 38% e 54%. Um destilado de caju, por exemplo, pode ser chamado de aguardente de caju. Sendo assim, toda cachaça é uma aguardente, mas nem toda aguardente é cachaça.

Pinga, caninha e branquinha são alguns apelidos dados à cachaça.

2. Para ser considerada cachaça, a bebida tem que ser produzida no Brasil?

Verdade. A cachaça é uma denominação típica e exclusiva da aguardente de cana produzida no Brasil.

3. A cachaça foi criada em Minas Gerais?

Mito. É difícil afirmar com exatidão onde e quando a primeira cachaça foi criada. No entanto, são duas as hipóteses aceitas: Em Itamaracá (PE) no ano de 1516 ou em 1532, em São Vicente (SP). Em Minas Gerais, a cachaça só se proliferou depois do ciclo de ouro.

Segundo o portal G1*, a cachaça foi criada no século XVI, em 1534, em São Vicente, no estado de São Paulo.

4. A cachaça deve ser tomada em pequenos goles?

Verdade. A cachaça deve ser tomada em pequenos goles e envolver toda a boca antes de ser engolida. Este ritual permite apreciar a bebida. Segundo o portal G1*, ela deve ainda descansar no ‘chão da boca’ para que todos os gases voláteis sejam sentidos pelo paladar.

Recomendamos também intercalar a cachaça com água para hidratar o organismo e evitar o incomodo da dor de cabeça.

5. A cachaça deve ser servida em copo de vidro?

Verdade. O copo de vidro por ser transparente permite o apreciador analisar a oleosidade da bebida ao girar o copo. Se ela cair muito rápido é porque há muita água na cachaça, portanto, não sendo uma bebida muito elaborada. Outra dica na avaliação, antes de degustar, é estar atento ao aroma que não pode incomodar o apreciador.

6. A cor da bebida é sinal de qualidade?

Mito. O que determina a cor da cachaça é o tipo de madeira dos toneis em que a mesma for envelhecida. Logo após o processo de produção, toda cachaça é branquinha (incolor).

7. Quanto mais envelhecida a cachaça, melhor?

Mito. A percepção de qualidade da cachaça tem muito a ver com o gosto do apreciador. Quanto mais tempo armazenada nos toneis de madeira, mais intenso o sabor. Muitos especialistas avaliam que não a cachaça branca não perde em nada para as demais com relação à qualidade.

8. Cachaça tem prazo de validade?

Mito. O teor de álcool da cachaça é no mínimo 38%, sendo assim, é o suficiente para conservar a cachaça por tempo indeterminado, desde que armazenada corretamente (bem vedada). “Ela dura mais de 20 anos fechada, sem problema algum. Quando aberta, como entra em contato com o oxigênio, pode haver mudança em seu sabor”, pondera. Em entrevista ao portal Gazeta do Povo**, Manoel Agostinho Lima Novo que é especialista sobre a bebida e autor do Blog Mundo da Cachaça, ele declara que a cachaça dura mais de 20 anos fechada, sem problema algum. No entanto, quando aberta, entra em contato com o oxigênio, podendo alterar o sabor.

9. Cachaça abre o apetite?

Verdade. Isto porque a bebida consome a glicose do organismo e abre espaço para a comida.

10. Cachaça com mel ajuda curar gripe?

Mito. Apesar de vários relatos, não há estudos científicos que comprovem tal benefício. A origem da caipirinha é um destes relatos, lembrando, que ela teria sido criada para curar a gripe espanhola com uma mistura de cachaça, mel, limão e alho.

Já segundo o portal G1, seria Meia Verdade porque a caipirinha era uma espécie de remédio caseiro usado no século XIX. Sendo assim, a cachaça com mel pode aumentar o metabolismo e ajudar na cura da gripe.

11*. A cachaça pode ser produzida a partir de qualquer fruta?

Mentira. A cachaça só pode ser produzida da garapa da cana-de-açúcar. O resto é aguardente, seja produzido com fruta ou mesmo vegetal.

12. Quando a cachaça é boa demais, não recomendamos fazer caipirinha?

Mentira. Quanto melhor a cachaça, melhor o sabor da caipirinha.

13. A cachaça nasceu dentro de uma senzala?

Mentira. A bebida foi criada nos engenhos de açúcar São Jorge, Santa Maria e São João dos Erasmos, em São Vicente (SP), em 1534.

14. Cachaça combina com tira-gosto?

Verdade. A bebida harmoniza bem os sabores do salaminho, fritas, assados, carnes e até frutos do mar. Porém já não combina com pães, massas e biscoitos.

15.** As cachaças artesanais são mesmo melhores do que as industriais?

Para o estudioso, são sim. Numa entrevista ao portal Gazeta do Povo, o especialista e autor o Blog Mundo da Cachaça, Manoel Agostinho Lima Novo,

explica que o cuidado na produção é que faz toda a diferença. “Quando se produz a bebida, um dos passos é destilar. Nesta etapa, os primeiros elementos a surgirem são os mais voláteis, como o metanol. No final da destilação, surgem elementos secundários que agridem o sistema nervoso. Há que se eliminar tanto o metanol quanto estes elementos secundários. Dizemos que é cortar a cabeça e a cauda, e ficar apenas com o coração da produção. O que os produtores artesanais fazem é a cachaça do coração da produção. Já as industriais não, pois precisam produzir mais e mais rápido. Engarrafam o líquido com metanol e com outros agentes nocivos”, conclui.

Fontes: 

www1.folha.uol.com.br

* www.g1.globo.com

**www.gazetadopovo.com.br

 

! Nota do blog Caipirinha Prendada X Origem da Cachaça

Em nossas pesquisas, encontramos divergências de datas, uma vez que o portal Folha S. Paulo menciona o ano 1532, num engenho, em São Vicente –sem especificar qual.  Já no portal da Folham encontramos informações com a data de 1534 e mencionando os engenhos São Jorge, Santa Maria e São João dos Erasmos. Nossa dica e achando novidades, por favor, passe para nós que faremos os ajustes aqui também.

No portal www.cachacavaleverde.com.br encontramos ainda outras divergências mencionando que alguns historiadores afirmam que os egípcios são os verdadeiros criadores da bebida. E ainda há quem afirme, dentro da comunidade acadêmica, que os gregos registraram o processo de obtenção da acqua ardens, água ardente.