alambique | Caipirinha Prendada

Tag - alambique

E para o Ano Novo: Caipirinha com Romã

São inúmeras as superstições para o ano novo, entre elas, a romã é uma das mais conhecidas como símbolo para atrair prosperidade. Então, para esta data de comemoração universal, a nossa dica para inovar na caipirinha é acrescentar à receita tradicional as sementes de romã.

O sabor é bem suave, mas o visual fica incrível.

Ingredientes:

– 1/2 romã grande ou o quanto desejar para ter o sabor e deixar um visual bem atraente

– 60 ml de cachaça envelhecida em tonel de amburana

– 2 colheres (sobremesa) açúcar refinado

– 1 limão tahiti

 

Modo de Preparo: Descasque o limão deixando um pouco da casca, corte as extremidades e depois em 4 partes para tirar o miolo branco. Tudo isso para evitar o amargor no drink. Coloque os gomos do limão com a polpa voltada para cima, acrescente os gomos de romã e o açúcar. Amasse bem para soltar o caldo do limão e o sabor da romã, ao mesmo tempo que o açúcar se mistura com os ingredientes. Coloque o gelo e acrescente a cachaça de amburana.

Lembre de acrecentar umas sementes de romã sobre o gelo e decorar a borda do copo com limão. Está pronta a caipirinha para celebrar a chegada do ano novo.

Boas festas!

 

Descobrindo Gonçalves (MG): Além das belezas do campo, fomos buscar também novidades em ingredientes para nossas caipirinhas

Está virando hábito viajar e conhecer as riquezas regionais em ingredientes para sugerir inovações nos sabores das caipirinhas: cachaças e frutas da região. E por ser um post que associa uma cidade turística, claro que não temos como deixar de homenagear aqui o blog Longe e Perto da nossa querida amiga Carla.

Mas voltando a viagem para Gonçalves, em Minas Gerais, o fim de semana de 12 a 14 de agosto dediquei para acompanhar minha amiga Josy Magnani que veio de Orlando (EUA) e me convidou para acompanhá-la até Gonçalves (MG). Topei na hora, afinal, os motivos eram diversos para isto: amiga nota 10, bom papo, muitas risadas garantidas e uma casa aconchegante e linda.

Mas só fui porque ela topou uma condição: me ajudar descobrir novas cachaças e experimentar minhas caipirinhas que compartilho aqui no blog e ela aceitou (risos).

Fomos até o Sítio da Dona Manoela, localizado no bairro Três Barras, bem no pé da serra já chegando em Gonçalves (MG). Neste lugar é é fabricada a cachaça mais famosa na região até mesmo porque leva o nome do local: Cachaça Gonçalves. No rótulo vem escrito que a fabricação é 100% artesanal e feita desde 1952.

Na “lojinha” onde são vendidas as cachaças, tem várias opções expostas, inclusive, aguardentes com sabores e licores. Tem até um tonel pequeno com aguardente (cabeça do processo da cachaça) como foi a primeira vez que encontrei este tipo de bebida, claro que experimentei. Não gostei muito não, com 60% de teor de álcool, desce quente demais e parece que explode na boca(risos). Eles identificam como cachaça, mas neste teor de álcool esta possibilidade é totalmente descartada.

Particularmente, não gostei e como o foco do blog são receitas sempre com cachaça, optei pela cachaça natural porque já tenho receitas de bidestilada com outras marcas e a natural do local, achei que prevaleceria bem a essência do lugar no post.

Esta Cachaça Natural sendo cristalina e com sabor mais intense um pouco garantiu a personalidade da bebida, mas sem roubar os sabores dos demais ingredientes.

Daí, conversando com o caseiro da minha amiga, ele comentou da cachaça Amélia que, segundo ele, é a melhor que ele compra ali na região. Se é a melhor, então, temos que testar na caipirinnha e se ficar bom postar no blog. Tanto ficou que tem 2 receitinhas novas e uma feita com a Cachaça Gonçalves e outra com a Cachaça Amélia: Caipirinha com Limão Rosa e Folhas de Laranjeira e Caipirinha com Figo em Calda e Gengibre.

Conheça neste link um pouco mais sobre a cidade Gonçalves (MG) clicando aqui.

Caipirinha Caipira (Curato Hof)

Demorou, mas agora deu certo de postar uma receita usando o Curato que ganhei da marca Hof, durante minha visita à Expo Cachaça 2016.

Na verdade, demorou porque eu estava me inspirando numa receita bem legal para destacar a bebida na caipirinha de maneira que pudéssemos sentir o sabor de maneira realçada porque a bebida é muito boa.

Fiz a receita da caipirinha e agora a guardo o Curato puro na geladeira para bebericar em casa quando vou cozinhar para o meu marido (risos).

Resumidamente, esta bebida a defino como uma viagem aos sabores passando por casca de laranja, baunilha e café, tudo bem harmonizado. É uma bebida que surpreende e deixa um saborzinho de quero mais e, na minha opinião, fica ainda melhor quando bem geladinho. Para não interferir em nada no sabor do Curato, escolhi a cachaça bidestilada do Engenho Santo Mário,  pelo qual tenho carinho especial e admiro muito o trabalho da família.

Na caipirinha que preparei, fiz no mesmo estilo que a Caipirinha com Café, porém, usando limão rosa e substituindo o café pronto pelo Curato. Para dar um charme, acrescentei grãos de café e ficou uma delícia e com uma apresentação linda. Afinal, o visual faz parte das nossas receitas.

Segue a receita, mas, lembre-se: Beba com Moderação para não estragar a diversão.

 

Ingredientes:

– 1 limão rosa ou limão caipira como é conhecido

– 1 dose de cachaça bidestilada

– 1 dose de Curato Hof

– 2 colheres (sopa) de açúcar

– Grão de café para decorar

 

Modo de Fazer:

Descasque o limão deixando um pouco da casca;

Corte em 4 partes tirando o miolo;

Acrescente o açúcar e amasse bem;

Acrescente o gelo;

Acrescente a cachaça e mexa bem;

No final, acrescente o Curato e não mexa mais o drink;

Jogue alguns grão de café

Decore a borda com uma lâmina de limão e está pronto.
Só saborear, mas lembre-se: beba com moderação para não estragar a diversão.

 

 

Caipirinha com Jambu

Durante a Expo Cachaça deste ano (2016), tive a oportunidade de conhecer uma cachaça, na verdade uma aguardente feita com jambu, aquela florzinha de uma erva típica do norte do Brasil, mais especificamente do Pará e que deixa a língua adormecida, conhece? Se não, confira todos os detalhes sobre o Jambu neste clicando aqui.

Então, sabe que ficou gostosa e até adormeceu um pouco a língua. Amassei algumas folhas e flores da planta, junto ao limão e açúcar. Escolhi a cachaça Prata do Alambique Bassi, lá de Santa Mariana (PR). Ela possui 41% de álcool e é um dos rótulos premiados que eles vendem. Sabe que ficou uma delícia. Confira:

Ingredientes:

  • ½ limão Tahiti
  • 1 e ½ colher rasa (sopa) com açúcar
  • 1 dose de cachaça Prata (60ml) – Usei nesta receita a Bassi
  • Gelo à vontade

 

Modo de preparo:

 

Fazer a base da capirinha tradicional: amassar o limão com o açúcar;

Acrescentar as folhas e flores de Jambu e amasser bem para soltar as substâncias da planta que deixam a língua levemente adormecida.

Agora, acrescentar o gelo

Por último, colocar a cachaça bidestilada e misturar bem;

Só decorar a borda do copo com uma lâmina de limão e colocar um raminho de jambu no centro do drink para finalizar a decoração, afinal, visual garante 50% de sucesso da caipirinha.

 

Está pronto o drink, só saborear! Mas, lembre-se: Beba com moderação para não estragar a diversão.

Caipirinha Serrana

Neste fim de semana, de 08 a 10 de julho, estive em Monte Verde (MG) para prestigiar o Festival de Inverno 2016 e foi uma delícia. Por 3 motivos: estava precisando de um fim de semana para descansar, estava na acompanhada do meu marido e com minha amiga-irmã, Kelen Garcia e o esposo dela. Rimos muito, comemos bastante e nem uma crise de tosse alérgica que a acometeu, atrapalhou nosso passeio.

Foi tão bom que me inspirei para fazer uma caipirinha em homenagem ao Blog Longe e Perto da colega Carla Caldas. Estou tão em empolgada e comprometida com as postagens para o blog que quando viajo levo a tira colo o meu kit caipirinha, saio desbravando alambiques e faço um drink temático (risos).

Neste aqui usei cachaças Filha da Truta do alambique que fica ao lado do famoso Restaurante Paulo das Trutas, bem lá nas montanhas do Distrito. Usei a Cachaça curtida com a fruta cambuci porque vi várias recomendações na internet e fiquei curiosa, mas a base foi com videstilada por recomendação do Vitor que nos atendeu no alambique. Na ocasião ele mencionou que este tipo de cachaça permite sentirmos melhor o sabor e não dá dor de cabeça.

Para finalizar e deixar a caipirinha bem temática ao Distrito de Monte Verde (MG), passamos na borda o composto que minha amiga comprou na tia Nata para tentar acalmar a crise de tosse e febre que ela vinha tendo e finalizamos decorando com açúcar. Este composto foi feito à base de mel, agrião, eucalipto, guaco e extrato de própolis deu o toque final na hora de saborear. O marido dela, Alexandre Montini, provou e aprovou a receita que você confere abaixo – drink individual.

 

Ingredientes:

  • ½ limão siciliano (como este limão é grande e tem muito caldo, optei por usar apenas a metade)
  • 1 colher (chá) de grãos pimenta rosa
  • 1 e ½ colher rasa (sopa) com açúcar
  • ½ dose de cachaça bidestilada (30ml) – Filha da Truta
  • ½ dose de aguardente com cambuci (30ml) – Filha da Truta
  • Composto mel, agrião, eucalipto, guaco e extrato de própolis – Tia Nata
  • Gelo à vontade

 

Modo de preparo:

Fazer a base da capirinha tradicional: amassar o limão com o açúcar;

Acrescentar os grãos de pimenta rosa e amassar de leve;

Em seguida, acrescentar a cachaça bidestilada e misturar bem;

Daí, já decora a borda do copo no qual a bebida será servida;

Passamos o composto de mel, agrião, eucalipto, guaco e extrato de própolis em toda a borda;

Passamos a borda no açúcar refinado, mas pode ser cristal mesmo. O Cristal é melhor ainda poque não deixa escorrer;

Colocamos a base da caipirinha no copo decorado;

Acrescentamos o gelo;

Daí vem a cachaça Cambuci sobre o gelo;

Finalizar a decoração do copo colocando uma lâmina de limão também na borda para dar um charme.

 

Está pronto o drink, só saborear!

Caipidrink de Uva Itália

Sempre que via a uva tinha vontade de experimentar na caipirinha, ou melhor, num caipidrink, já que pela legislação caipirinha é apenas de limão, açúcar, gelo e cachaça. Aliás a cachaça é a única bebida que vai em nossas receitas.

Mas, leis e detalhes a parte, o nosso drink ficou muito bom. O sabor e frescor da bebida foi exatamente como eu tinha imaginado.

Desta vez fiz com a cachaça orgânica Sanhaçu que conhecia pelas redes sociais e adquiri num evento diretamente dos produtores. Esta cachaça, no processo produtivo, é armazenada em toneis de umburana e possui 40% e volume alcoólico. Ah, e como eu queria uma bebida bem fresca, deixei até a cachaça na geladeira por algumas horas e o resultado foi bem legal. Assim como a cerveja, a caipirinha/ caipidrinks ficam ótimos bem gelados e comprovei isto nesta receita.

No mais, não teve nenhum ingrediente. Curtimos e aprovamos o sabor final feito com a cachaça orgânica da Sanhaçu. Produto certificado e premiado em Bruxelas no ano 2015 – Prata Spirits.

Confira a receita e passo a passo como testei e achei que deu super-certo. É uma dica, mas você pode incrementar ao gosto. Daí, lembre de comentar e compartilhar aqui porque sou curiosa e gosto de testar.

Ingredientes:

– 2 doses (100 ml) de cachaça gelada
– 2 colheres (sobremesa) de açúcar
– 1 limão (metade caldo e metade amassada)
– 12 uvas cortadas ao meio e sem semente (neste receita fizemos com uva Itália)
– gelo a gosto

Modo de Preparo:

Cortei as uvas ao meio e retirei apenas as sementes; acrescentei o limão, descascando metade e cortando em cubos o restante, tirando o miolo e a outra metade exprimi para tirar o caldo. Acrescentei o açúcar e amassei bem a uva e o limão. Coloquei tudo numa coqueteleira e acrescentei a cachaça e agitei bem. Então, voltei para o copo, coloquei o gelo à vontade. Decore como quiser.

Sempre gosto de deixar um pedaço da fruta na borda do copo ou quando dá a fruta mesmo para que possa degustar in natura.

Sirva e aproveite para colocar a conversa em dia com os amigos e com a família.

Aproveite para conferir as outras receitas aqui no blog, mande fotos das receitas que você fizer e comente nas nossas redes sociais.

Mas, lembre-se: beba com moderação para não estragar a diversão.

Caipirinha com Goiaba

A goiaba que fica uma delícia no suco, na geleia e nos doces, também fica muito saborosa na caipirinha.

Até brinco dizendo que se uma fruta ou legumes dá doce, geleia ou salada, a chance é de 99% de dar certo associada à caipirinha. Por exemplo, todo mundo adora a nossa receita de caipirinha com banana; a caipirinha de rúcula também fica show, assim como a de pepino e caqui, todas estas e muitas outras aqui no blog.

Mas, falando da caipirinha de goiaba, além do sabor, descobrimos que é possível ter um visual bifásico como este que está na foto. Foi por acaso que descobrimos, mas no modo de preparo explicamos como fazer. Confira!

Ingredientes:

  • - 2 doses (100 ml) de cachaça
  • - 2 colheres de açúcar
  • - 2 limões (1 Caldo/ amassado)
  • - 1 goiaba vermelha – tamanho médio ou grande
  • - gelo a gosto

Modo de Preparo: Bata no liquidificador a goiaba, com 50 ml de cachaça, 1 limão espremido (só o caldo), 1 colher de açúcar e, se desejar, algumas pedras de gelo também para a mistura ficar bem cremosa. Da primeira vez que fiz não peneirei e achei meio ruim ter que ficar tirando as sementes quebradas, desde então, sempre passo pela peneira. Reserve este creme de goiaba.

Daí, no copo onde servirá a caipirinha com goiaba, amasse 1 limão do jeito que é feito na caipirinha original – tirando um pouco da casca, o miolo branco, cortado em 4 partes, daí acrescente 1 colher de açúcar e amasse. Lembrando que a polpa do limão é recomendável que fique virada para cima porque daí não espreme tanto a casca e evita de amargar. Acrescente 1 dose de cachaça (50 ml) e mexa bem para misturar todos os ingredientes desta base. Assim que acabar de amassar o limão da base, já pode acrescentar o tanto de gelo que desejar.

Após o gelo, coloque no copo a mistura que bateu feita com a goiaba e não mexa mais para que o conteúdo fique bifásico (verde na base e vermelho na parte de cima). É legal deixar para quem for beber mexer porque fica lindo o visual.

Vale explicar aqui que a receita de onde pesquisamos não tinha o limão, não recomendava peneirar, a cachaça era toda colocada na mistura que bate com a goiaba e orientava para mexer tudo. No entanto, para o nosso blog queremos dar dicas que deixem o drink bonito, saboroso e fiel ao conceito da caipirinha. Então, por isso que acrescentando o limão que é a base da caipirinha, ajustamos a forma de misturar os ingredientes já que queremos a bebida bifásica e com sabor de cachaça, limão e açúcar bem distribuído nas 2 fases (vermelha e na verde) Na parte vermelha usamos o limão espremido para ela ficar mais leve e não misturar com a parte verde. Assim, quem quiser vai tomando como está sentindo todos os sabores ou mistura tudo de uma vez.

Mas, lembre-se: Beba com moderação, não estrague a diversão.

Caipirinha com Pepino

Desde que comecei a ver o pepino ser indicado nas receitas de sucos detox, pensei que pudesse ficar com quando acrescentado aos ingredientes da caipirinha. Sem contar também aquela entradinha dos restaurantes de comida japonesa com pepinos cortados bem fininhos e que fica uma delícia.

Foi com um olhar de adaptação que resolvi trazer o pepino para a caipirinha. No entanto, sempre que tenho alguma ideia pesquiso do google para ver o que encontro já testado como foi feito e faço como está ou adapto como acho que fica melhor. Até hoje só a caipirinha com Jabolão que quando resolvi fazer não encontrei nenhuma referência nas redes sociais e foi um desafio e motivo de orgulho para mim (risos). A receita também está aqui no blog e foi compartilhada no Instagram e Fan Page @caipirinhaprendada.

Mas, voltando à  nossa caipirinha com pepino, fiz cortadinha igual é feito em restaurante japonês na entrada do rodízio. Confira os ingredientes e modo de preparo logo abaixo:

Ingredientes:

  •  1 limão taiti
  • 60 ml de cachaça (aqui usei uma edição especial que ganhei do amigo Marco Rossi)*
  • 2 colheres (sobremesa) de açúcar
  • Pepino japonês (5-6 centímetros)
  • Gelo a gosto

Modo de Preparo:

Cortei o pepino em rodelas bem fininhas, acrescentei o açúcar e amassei bem para soltar o sabor do pepino.

Acrescentei o limão cortado e descascado como de costume na caipirinha tradicional, deixando um pouco da casca, tirando o miolo e cortando em 4 partes. Na hora de amassar o limão, deixo a polpa para cima e aperto para soltar o caldo. Vou mexendo para misturar com o açúcar e, nesta receita, com o pepino.

Acrescentei o gelo, umas 6 pedras porque gosto de bastante gelo.

Em seguida, acrescentei a cachaça.

Finalizei decorando o copo com rodelas de pepino. Sempre gosto de colocar o ingrediente diferente in natura para as pessoas provarem, além de identificar o drink e ser um diferencial para as fotos. Imagem e sabor estão andam juntos.

O sabor ficou ótimo. A cachaça usada para esta receita acredito que também fez a diferença nesta combinação do pepino com os ingredientes da tradicional caipirinha (limão, cachaça, açúcar e gelo). É uma cachaça Premium que ganhei do meu amigo Marco Rossi que tem uma edição limitada de reserva especial para presentear os amigos, tem até numeração na garrafa e a da minha é a 177. É uma cachaça produzida em alambique de cobre, mas armazenada em toneis de Jequitibá,  Umburana e Castanheira.

Estou me aprimorando em conhecer os tipos de cachaças e a harmonia de cada uma com os ingredientes acrescentados à caipirinha para poder explicar melhor aqui no blog. Aguardem a evolução do nosso conteúdo (risos).

Mas foi isto, os convidados adoraram, a receita foi aprovado e está qui no blog para vocês.

Espero que gostem. Experimentem e comentem aqui o que achou.

Mas, lembrem-se: Beba com moderação, não estrague a diversão.

Um abraço e até mais!!!

Caipirinha com Caqui

Nunca imaginei que a combinação do caqui com os ingredientes da tradicional caipirinha seria tão interessante.

De tanto ver a fruta tão bonita, não resisti e resolvi experimentar na caipirinha e ficou 10. Super-recomendo.

Fiz com a cachaça Premium da marca mineira Alambique Diamond – 40% vol. de álcool.

Confira como fizemos.

 

Ingredientes:

  • 2 limões rosa
  • 50ml de cachaça
  • 2 colheres (sobremesa) de açúcar
  • 1/2 caqui ou o quanto desejar
  • gelo a gosto

 

Modo de preparo:

Coloquei a metade do caqui com casca mesmo e amassei com o açúcar, depois acrescentei o limão descascado e sem sementes. Amassei também. Mexi bem para misturar os ingredientes e distribuir o sabor. Coloquei o gelo e acrescentei a cachaça.

Olha que ficou muito bom! Tão bom que no dia seguinte fiz novamente numa festa que fui, mas daí como a quantidade era maior, optei por bater metade do caqui no liquidificar e metade amassada porque gosto dos pedacinhos das frutas. E sabe de uma coisa: ficou melhor ainda porque o sabor do caqui que é bem sutil, ficou mais intenso um pouco.

Seja batido no liquidificador ou não, fica bom do mesmo jeito, mas daí já vale um novo post para explicar certinho como fizemos, apesar de ser com os mesmos ingredientes. O modo de fazer, por fim, será questão de gosto. Mas podem apostar que o caqui combina e muito com caipirinha.

 

Carga tributária sufoca pequenos produtores de cachaça

A carga tributária está sufocando um dos patrimônios do Brasil: a cachaça de alambique. Pequenos produtores têm enfrentado com muitas dificuldades o aumento dos impostos. No ano passado, o Governo Federal elevou em 30% a taxa do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para os produtores e importadores de bebidas alcoólicas.

A cachaça é a segunda bebida mais consumida do País, perdendo apenas para a cerveja. Seu consumo é quase 5 vezes maior do que o do whisky (348 milhões de litros) e da vodca (270 milhões de litros). Além disso, os micro e pequenos produtores de cachaça não podem se enquadrar no Simples Nacional. De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), o consumidor paga 83,07% de impostos sobre o preço final do produto.

“A indústria de cachaça de alambique é uma indústria social, onde o mais importante são os empregos gerados, principalmente na zona rural, evitando o adensamento populacional nos cinturões das grandes cidades”, diz Moacir Menegotto, proprietário da cachaça Casa Bucco, do Rio Grande do Sul.

O pequeno produtor reclama do “poder arrecadatório” do fisco brasileiro, tratando todos os fabricantes de bebidas alcoólicas da mesma forma. “Nós pagamos as mesmas taxas dos grandes produtores”. E faz um alerta: “Para cada alambique que fecha dezenas de pessoas ficam desempregas e buscam a migração como alternativa”.

A mesma opinião é compartilhada pela empresária Jaqueline Calvo, da cachaça Dedo de Prosa, sul de Minas Gerais. “Estamos nadando contra a corrente. Pagamos R$ 2,90 de IPI pela garrafa, enquanto o grande paga três vezes menos. Quando poderíamos vender três caixas, vendemos apenas uma”.

Marcos Macedo, da cachaça Tiquara, do interior de São Paulo, acredita que se não forem tomadas providências muitos alambiques irão fechar ainda este ano. Segundo o Ibrac, o Brasil possui capacidade instalada de produção de cachaça de aproximadamente 1,2 bilhão de litros.

Atualmente, são mais de 40 mil produtores (4 mil marcas). As micro-empresas correspondem a 99% do total de produtores. Suas atividades agropecuárias incluem a produção de milho, feijão, café, e leite, entre outras, e a produção de Cachaça. O setor da Cachaça é responsável pela geração de mais de 600 mil empregos, diretos e indiretos.

 

Fonte: www.sindifisconacional.org.br